sábado, 30 de abril de 2011

PARA REFLETIR!!

O Idiota


Conta-se que numa cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia. Um pobre coitado, de pouca inteligência, vivia de pequenos biscates e esmolas.

Diariamente eles chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas: uma grande de 400 RÉIS e outra menor de 2.000 RÉIS. Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.

'-Eu sei', respondeu o tolo. 'Ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda'.

Pode-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.

A primeira: Quem parece idiota, nem sempre é.

A segunda: Quais eram os verdadeiros idiotas da história?

A terceira: Se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.

Mas a conclusão mais interessante é: A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito.

Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, quem realmente somos.

O maior prazer de um homem inteligente é bancar o idiota diante de um idiota que banca o inteligente.

Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação. Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam... é problema deles.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

INSCRIÇÕES ABERTAS

Link ao lado levará ao Regulamento.
Prêmio Gestão Escolar
O que é?

O Prêmio Gestão Escolar é um estímulo à melhoria do desempenho da escola e ao sucesso da aprendizagem dos alunos, pela identificação e reconhecimento, como referência nacional, de estabelecimentos escolares que estejam desenvolvendo práticas eficazes de gestão. Destaca-se como um dos mais relevantes instrumentos de mobilização e de autoavaliação das escolas públicas brasileiras, tendo por objetivo a melhoria da gestão e da qualidade do ensino.

Objetivo

O Prêmio foi instituído para atingir os seguintes objetivos:
a) estimular o desenvolvimento da gestão democrática na escola, tendo como foco o compromisso com uma aprendizagem de qualidade;
b) valorizar as escolas públicas de educação básica que se destaquem pela competência de sua gestão e por iniciativas e experiências inovadoras e bem-sucedidas na melhoria da aprendizagem dos alunos;
c) apoiar o desenvolvimento de uma cultura de autoavaliação da gestão escolar; e
d) incentivar o processo de melhoria contínua na escola, pela elaboração de planos de ação, tendo como base a sua autoavaliação.

Público Alvo

Escolas de educação básica (educação infantil, ensio fundamental e/ou ensino médio) das redes públicas estaduais/ distrital e municipais, que realizem  processo de autoavaliação, nos termos do Regulamento.

Premiação

São concedidos, em âmbito nacional, os seguintes diplomas:
  • Diploma Escola "Destaque Estadual/Distrital" à escola indicada por cada Estado/Distrito Federal como a que melhor atende aos critérios estabelecidos no Regulamento.
  • Diploma Escola "Destaque Nacional" às 6 (seis) Escolas finalistas, selecionadas pelo Comitê Nacional de Avaliação.
  • Diploma Escola "Referência Brasil" à escola melhor classificada dentre as seis finalistas.
Além dos diplomas, será concedida uma viagem para intercâmbio de experiências no Brasil e/ou no exterior ao diretor da escola melhor classificada em cada estado, e a seguinte premiação em dinheiro:
-R$ 30.000,00 (trinta mil reais) para a Escola classificada como "Referência Brasil";
-R$ 10.000,00 (dez mil reais) para cada uma das escolas "Destaque Nacional" (exceto para a escola selecionada como "Referência Brasil");
-R$ 6.000,00 (seis mil reais) para cada escola indicada como "Destaque Estadual/Distrital", que não tiver sido classificada entre as seis finalistas.

Comitês de Avaliação

  • Comitê Escolar – realiza a autoavaliação e prepara a apresentação da candidatura;
  • Comitê Estadual/Regional – realiza a avaliação das candidaturas e seleciona a Escola Referência em Gestão Escolar do seu Estado;
  • Comitê Nacional – realiza a avaliação das escolas indicadas como referências estaduais e seleciona as seis escolas finalistas ao Prêmio Destaque Brasil.
Entidades parceiras
  • CONSED
  • UNDIME
  • UNESCO
  • FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO
  • FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL
  • INSTITUTO RAZÃO SOCIAL
  • GERDAU
  • GRUPO GOL
  • MBC
  • TODOS PELA EDUCAÇÃO
  • EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS NO BRASIL
  • MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
  • FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA
  • INSTITUTO UNIBANCO

Ano Internacional dos Afrodescendentes

Os meses de março e abril de 2011 foram significativos para a população afrodescendente no Brasil. No ano internacional voltado a esses povos, a representação da UNESCO no país realizou uma série de encontros e debates regionais para lançar a primeira edição completa em Português da Coleção da UNESCO História Geral de África (HGA), que em paralelo foi entregue a 8 mil bibliotecas universitárias e públicas do país.


UNESCO/Edson Fogaça- Representante da UNESCO no Brasil, Vincent Defourny, entrega Coleção História Geral da África à ministra Luiza Bairros e ao governador Jacques Wagner em Salvador.
Antes, em dezembro de 2010, a Coleção foi disponibilizada  gratuitamente online ao público com apoio e financiamento do Ministério da Educação (MEC) e coordenação técnica da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). 
Além de debates e mesas-redondas, programação cultural, atividades relacionadas à tradição afro-brasileira  e integração com movimentos sociais  também fizeram parte dos eventos.
“O Brasil está devolvendo para a África sua própria história. E o lançamento da edição em português da coleção em várias partes do país  ajuda  a reconstruir a ponte entre a nação  e o continente africano. Especialmente porque  ele entra em consonância com desejos e reivindicações antigas dessa  população  ao retratar e disseminar aspectos da identidade e características que ajudaram a formar o povo brasileiro”, diz o Representante da UNESCO no Brasil, Vincent Defourny.
Até agora, os eventos foram realizados em cinco estados brasileiros.  A previsão é que até o final do ano, todas as regiões do país sejam contempladas.
Comemorando a integração
No Ceará, em 25 de março, no aniversário da abolição na cidade de Redenção – a primeira brasileira a acabar com a escravidão, o representante da UNESCO no Brasil, Vincent Defourny fez uma entrega especial da coleção à recém criada  Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), e à prefeitura municipal de Redenção, onde a universidade está sediada.
Cultura e tradição
Na Bahia, estado marcado pelo maior percentual da população afrodescendente no país, as celebrações duraram três dias e contaram com a presença de quatro especialistas africanos que integram comitê internacional da UNESCO para o uso pedagógico da coleção HGA . As primeiras entregas  da coleção foram feitas para movimentos sociais de forte tradição afrodescendente no estado e no país, o Ilê Ayê e o Olodum, que há duas décadas vêm tentando garantir a igualdade e inclusão da população negra via  cultura e educação. 
A tradição também foi foco do encontro em Cachoeira, cidade do Recôncavo Baiano conhecida por ser o berço do Samba de Roda, patrimônio imaterial da humanidade. Além de uma mesa-redonda na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, foram realizadas visitas a uma irmandade religiosa e a um terreiro de candomblé, nos quais se teve a oportunidade de conhecer um pouco mais do sincretismo religioso e da preservação das tradições religiosas africanas, bem como da luta para preservar a identidade cultural e a dignidade.
Em Salvador, na Universidade Federal da Bahia, o lançamento foi marcado por um dia inteiro de debates que reuniram especialistas africanos e brasileiros. A ministra da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, e o governador do estado, Jacques Wagner, participaram do encontro e receberam um exemplar da coleção das mãos do Representante da UNESCO no Brasil e do coordenador de Diversidade do Ministério da Educação, Antônio Mário Ferreira.
História em foco 
Em São Paulo, na capital paulista o teatro Tucarena, na PUC, ficou pequeno para acomodar todos os participantes dos debates que tomaram toda a quarta-feira, dia  06 de abril. Estudantes, acadêmicos, professores e movimentos sociais debateram com os especialistas questões relacionadas a produção de saberes históricos, à formação acadêmica de profissionais, a identidade negra e até mesmo sobre a própria construção da coleção da UNESCO História Geral da África. O brasileiro Fernando Mourão, que participou do comitê científico para a redação da coleção, e o historiador e embaixador brasileiro Alberto Costa e Silva  foram alguns dos palestrantes convidados pela UNESCO para participar do encontro.
Filme e educação 
Em Minas Gerais, dois momentos marcaram o lançamento. O primeiro foi a exibição e o debate a respeito do documentário “Terra Deu, Terra Come”, do diretor Rodrigo Siqueira.  Por meio de uma linguagem inovadora, o filme aborda temas importantes para a cultura afro-brasileira, como a presença da tradição dos povos de origem banto na cultura mineira e aspectos da historia da mineração na região de Diamantina, tendo como cenário Quartel do Indaiá, uma comunidade quilombola. No dia 13 de abril, o auditório da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas recebeu especialistas para discutir os caminhos da educação das relações étnico-raciais e suas potencialidades frente à disponibilização em Português da coleção História Geral da África.
Comemoração estadual 
No dia 19 de abril foi a vez de Pernambuco receber o lançamento da coleção, realizado a convite do governo do estado para marcar a abertura das atividades estaduais relativas ao Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes. De acordo com o Jorge Arruda, assessore especial do governo, a obra  fortalece e empodera as ações afirmativas, a promoção da igualdade racial e o combate ao racismo institucional”.
O poder transformador da cultura 
A coleção de quase 10 mil páginas  foi construída ao longo de 30 anos por 350 pesquisadores, coordenados por um comitê científico composto por 39 especialistas, dois  terços deles africanos.  Sua disponibilização em língua portuguesa e a realização dos lançamentos regionais integram uma estratégia  de apoio à implementação da Lei 10.639/2003, que prevê o ensino da história da África e da cultura africana e afro-brasileira nas escolas brasileiras. 
“O lançamento da coleção é o primeiro passo para efetiva e apropriada inclusão das questões etnico-raciais na educação brasileira. Agora, trabalhamos para que o conteúdo da obra seja transformado e adaptado para um público mais amplo e chegue nos espaços de formação dos profissionais da educação e às salas de aula do país”, afirma Marilza Regattieri, coordenadora do Programa de Educação das Relações Étnico-raciais do escritório da UNESCO no Brasil. A UNESCO, o MEC e a UFSCAR preparam agora materiais pedagógicos para que o conteúdo da coleção atinja um público mais amplo e alcance a educação básica, que devem ser lançados até o final de 2011.
Em ultima instância, essas ações visam contribuir para a transformação das relações étnico-raciais no país. “A UNESCO acredita que o conhecimento é a melhor base para trabalhar a compreensão mútua entre os povos e criar uma cultura de paz. Há uma relação entre essa compreensão e o desenvolvimento de uma nação que faz dessa uma estratégia  para também construir identidades e afirmar direitos humanos ", finaliza Defourny. 

Fonte:UNESCO

terça-feira, 26 de abril de 2011

TODOS PELA EDUCAÇÃO

O TODOS PELA EDUCAÇÃO é um movimento da sociedade civil que tem como missão contribuir para a garantia do direito de todas as crianças e jovens do Brasil à Educação Básica de qualidade até 2022, ano do bicentenário da  Independência do País.
Com base em 5 Metas claras e objetivas, o movimento trabalha para a melhora da qualidade e para o fortalecimento da Educação pública. 

Conheça as metas:
Meta 1: Toda criança e jovemde 4 a 17 anos na escola
Meta 2: Toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos
Meta 3: Todo alunocomaprendizado adequado à sua série
Meta 4: Todo jovemcomEnsino Médio concluído até os 19 anos
Meta 5: Investimento emEducaçãoampliado ebemgerido

terça-feira, 19 de abril de 2011

Por que celebramos a Páscoa comendo delícias de chocolate?

 Existem algumas versões para o fato. Tudo começou muito antes de Cristo, quando ovos (sem ser de chocolate, claro) eram dados de presente. Comenta-se que a tradição de oferecer ovos vem da China. Há vários séculos os orientais preocupavam-se em embrulhar os ovos naturais com cascas de cebola e cozinhavam-nos com beterraba. Ao retirá-los do fogo, ficavam com desenhos mosqueados na casca. Os ovos eram dados de presente na Festa da Primavera.

As civilizações mais antigas, como os romanos, egípcios e persas tinham o ovo (não o de chocolate!) como símbolo de renovação da terra e usavam em diversos rituais que ocorriam na época da chegada da primavera. Nesses rituais ovos de aves eram pintados e oferecidos aos deuses como um pedido para que propiciassem um período de boa colheita.

Nesta época, ovos cozidos e depois decorados eram usados para presentear parentes e amigos. Essa tradição continua em muitos países até hoje.

Com o advento do cristianismo o ovo passa a ter outro significado, relacionado não só à fertilidade da terra, mas também à ressurreição de Cristo.

A partir de 1830, quando surgiram as primeiras fábricas de chocolate na Inglaterra, essa tradição ganhou outro sabor e os ovos passaram a ser de chocolate. Sem dúvida é uma delícia!!!

A tradição se espalhou...

Muitos países tem como tradição a troca de ovos de Páscoa. Na Bulgária, por exemplo, tem por tradição pintar as embalagens de ovos com vermelho brilhante, conhecidos como “kolache”.

No Canadá a organização dos ovos para presentear os familiares e feita pelas crianças nas escolas e nesta época a brincadeira de “caça ao ovo” é bastante tradicional. Essa brincadeira também ocorre nos Estados Unidos nesta época, só que de forma diferente: os ovos cozidos são decorados com tintas de diversas cores e são escondidos para as crianças encontrá-los. Em cidades menores essa brincadeira acontece nas praças principais da cidade, onde as crianças se reúnem para encontrar os ovos, escondidos por todo lugar. Também nos Estados Unidos ocorre outras brincadeiras em um local específico do jardim da Casa Branca, sede do governo norte-americano, que acaba reunindo pessoas de todo o país. Essa tradição vêm do início da década de 1870, quando crianças brincavam, durante a Páscoa, no gramado do Capitólio, na cidade de Washington. Elas levavam seus ovos cozidos e os fazem rolar na grama para ver quem conseguia conduzir o ovo mais longe.

Conhecida pelo excepcional chocolate que produz a Suíça não poderia ficar de fora dessa comemoração, só que de uma forma um pouco diferente: neste país os ovos e bolos especiais com chocolate são colocados à venda somente no domingo de Páscoa... Imaginem como ficam as confeitarias neste dia!

Na França, as crianças já acordam preparadas para buscar seus ovos que podem estar espalhados por qualquer canto da casa, inclusive no jardim.

Na Alemanha a Páscoa é bem divertida! A tradição por lá é colorir ovos cozidos, assar bolos especiais e, em algumas regiões até fazem fogueiras entre amigos para compartilhar desses quitutes deliciosos. Essa festa cristão substitui a que seus antepassados realizavam em homenagem à deusa da primavera.

Tocar flauta e dançar ao som dela é a forma que o povo da Índia escolheu para comemorar essa época. Eles também fazem comidas especiais e todos visitam seus amigos, experimentando as comidas em cada um. É costume também que o dono da casa marque a testa de seus convidados com pó colorido.

Já no México ocorre a “malhação do Judas”, em referência ao apóstolo que traiu Jesus. Ao meio dia do domingo de Páscoa, bonecos representando Judas são socados, enforcados e queimados. Em algumas cidades, Judas também é representado por uma piñata, um jarro cheio de doces que as crianças devem tentar quebrar, espalhando doces para todos os presentes.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Pessoas de papel descartável!

Quando tinha meus dezesseis anos, costuma brincar de escrever poesias, um dia num surto de raiva rasguei meu caderno. Hoje, acho que estou pronta para voltar a escrever, e esse é meu primeiro ensaio.

Talvez tenhamos feito algo muito grave com a vida, para...
Que o valor do TER sobreponha o valor do SER,
Que a beleza das flores não seja apreciada,
Que o barulho nos impeça de ouvir o canto dos pássaros,
Que os dias passem tão depressa,
Que não vemos nossos filhos crescerem,
Que não conseguimos alcançar nossos sonhos,
Talvez tenhamos feito algo muito grave, não com a vida, mas com a nossa vida...
Para que sejamos tratados como coisas,
Para que só tenhamos valor, quando somos úteis,
Para que só sejamos confiáveis , quando concordamos com tudo,
Para que sejamos amigos apenas quando podemos ajudar,
Para nos sentirmos como papéis descartáveis,
E assim perdermos o encanto
De ver no outro uma pessoa insubstituível!!!
Quero meu encantamento de volta...

(Maria Márcia de Oliveira)

terça-feira, 12 de abril de 2011

"Ninguém é insubstituível".




Na sala de reunião de uma multinacional o diretor nervoso fala com sua equipe de gestores.

Agita as mãos, mostra gráficos e, olhando nos olhos de cada um ameaça: "Ninguém é insubstituível".
A frase parece ecoar nas paredes da sala de reunião em meio ao silêncio.

Os gestores se entreolham, alguns abaixam a cabeça.

Ninguém ousa falar nada.

De repente um braço se levanta e o diretor se prepara para triturar o atrevido:

- Alguma pergunta?

- Tenho sim.

-E Beethoven ?

- Como? - o encara o diretor confuso.

- O senhor disse que ninguém é insubstituível e quem substituiu Beethoven?

Silêncio......

O funcionário fala então:

- Ouvi essa estória esses dias contada por um profissional que conheço e achei muito pertinente falar sobre isso.

Afinal, as empresas falam em descobrir talentos, reter talentos, mas, no fundo continuam achando que os profissionais são peças dentro da organização e que, quando sai um, é só encontrar outro para por no lugar.

Quem substituiu Beethoven? Tom Jobim? Ayrton Senna? Ghandi? Frank Sinatra? Garrincha? Santos Dumont? Monteiro Lobato? Elvis Presley? Os Beatles? Jorge Amado? Pelé? Paul Newman? Tiger Woods? Albert Einstein? Picasso? Zico? etc...

Todos esses talentos marcaram a história fazendo o que gostam e o que sabem fazer bem, ou seja, fizeram seu talento brilhar. E, portanto, são sim insubstituíveis.

Cada ser humano tem sua contribuição a dar e seu talento direcionado para alguma coisa.

Está na hora dos líderes das organizações reverem seus conceitos e começarem a pensar em como desenvolver o talento da sua equipe focando no brilho de seus pontos fortes e não utilizando energia em reparar seus 'erros/ deficiências' .

Ninguém lembra e nem quer saber se Beethoven era surdo , se Picasso era instável , Caymmi preguiçoso , Kennedy egocêntrico, Elvis paranóico ...


O que queremos é sentir o prazer produzido pelas sinfonias, obras de arte, discursos memoráveis e melodias inesquecíveis, resultado de seus talentos.

Cabe aos líderes de sua organização mudar o olhar sobre a equipe e voltar seus esforços em descobrir os pontos fortes de cada membro. Fazer brilhar o talento de cada um em prol do sucesso de seu projeto.


Se seu gerente/coordenador , ainda está focado em 'melhorar as fraquezas' de sua equipe corre o risco de ser aquele tipo de líder/ técnico, que barraria Garrincha por ter as pernas tortas, Albert Einstein por ter notas baixas na escola, Beethoven por ser surdo. E na gestão dele o mundo teria perdido todos esses talentos.

Seguindo este raciocínio, caso pudessem mudar o curso natural, os rios seriam retos não haveria montanha, nem lagoas nem cavernas, nem homens nem mulheres, nem sexo, nem chefes nem subordinados . . . apenas peças.

Nunca me esqueço de quando o Zacarias dos Trapalhões 'foi pra outras moradas'. Ao iniciar o programa seguinte, o Dedé entrou em cena e falou mais ou menos assim: "Estamos todos muito tristes com a 'partida' de nosso irmão Zacarias... e hoje, para substituí-lo, chamamos:... . Ninguém ... pois nosso Zaca é insubstituível"

Portanto nunca esqueça: Você é um talento único... com toda certeza ninguém te substituirá!


"Sou um só, mas ainda assim sou um. Não posso fazer tudo..., mas posso fazer alguma coisa.. Por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso."

"No mundo sempre existirão pessoas que vão te amar pelo que você é..., e outras..., que vão te odiar pelo mesmo motivo..., acostume-se a isso..., com muita paz de espírito. ..".


É bom para refletir e se valorizar!

Uma bom dia..... insubstituível!!!!!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

33ª Olimpíada Brasileira de Matemática

Professores e alunos interessados em participar da 33ª Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) têm até o dia 30 de abril para se inscrever. A competição, que é realizada desde 1979, é dirigida a estudantes de instituições públicas e particulares, do sexto ao nono ano do ensino fundamental, ensino médio e graduação.

A olimpíada é um projeto conjunto da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) e do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Matemática (INCTMat).

As escolas interessadas em participar das olimpíadas devem se cadastrar na página do projeto. Instituições de ensino públicas e particulares competem em quatro níveis ¬– o primeiro para alunos do sexto e sétimo anos do fundamental; o segundo para oitavo e nono anos; o terceiro para o ensino médio, e o nível universitário para estudantes de graduação.

Os interessados em participar das olimpíadas devem se cadastrar na página do projeto. A primeira fase será em 18 de junho, a segunda, em 3 de setembro e a terceira e última fase, nos dias 15 e 16 de outubro.

Os resultados serão divulgados em dezembro e os vencedores serão convidados a participar da 15ª Semana Olímpica, evento a ser realizado em janeiro de 2012. Além das medalhas e prêmios, os vencedores participam do processo de seleção para formar as equipes que representam o Brasil nas diversas olimpíadas internacionais de Matemática. 

Mais informações acesse:Portal do MEC

domingo, 3 de abril de 2011

Sabedoria do General Napoleão Bonaparte

Dizem que Napoleão Bonaparte classificava seus soldados em 4 tipos:
  1. Os inteligentes com iniciativa ;
  2. Os inteligentes sem iniciativa ;
  3. Os ignorantes sem iniciativa ; e
  4. Os ignorantes com iniciativa.
  • Aos inteligentes com iniciativa, Napoleão dava as funções de cmt gerais... estrategistas ;
  • Aos inteligentes sem iniciativa, Napoleão deixava-os como oficiais a receberem ordens superiores... para cumpri-las com diligência ;
  • Aos ignorantes sem iniciativa, Napoleão os colocava à frente da batalha - buchas de canhão... como dizemos ; e
  • Os ignorantes com iniciativa, Napoleão odiava e não queria em seus Exércitos.
  • Um ignorante com iniciativa é capaz de fazer besteiras enormes e depois dissimuladamente, tentar ocultá-las ;
  • Um ignorante com iniciativa faz o que não deve, fala o que não deve, até envolve-se com quem não deve e depois diz que não sabia ;
  • Um ignorante com iniciativa faz perder boas ideias, bons projetos, bons clientes, bons fornecedores, bons Homens públicos ;
  • Um ignorante com iniciativa produz sem qualidade, porque resolve alterar processos definidos e consagrados ; e
  • Um ignorante com iniciativa é, portanto, um grande risco para o desenvolvimento e o progresso de qualquer empresa e governo.