sábado, 28 de agosto de 2010

MULHERÃO


Este é um texto de Martha Medeiros, colaboradora do jornal gaúcho Zero Hora, a maior cronista brasileira da atualidade e autora de vários livros. Esta belíssima crônica, escrita com a habitual leveza e sensibilidade de Martha, foi lida por Olga Bongiovanni no programa de 8 de março de 2001, Dia Internacional da Mulher.
Peça para um homem descrever um mulherão. Ele imediatamente vai falar no tamanho dos seios, na medida da cintura, no volume dos lábios, nas pernas, bumbum e cor dos olhos. Ou vai dizer que mulherão tem que ser loira, 1,80m, siliconada, sorriso colgate.
Mulherões, dentro desse conceito, não existem muitas: Vera Fischer, Malu Mader, Letícia Spiller, Adriane Galisteu, Lumas e Brunas.
Agora pergunte para uma mulher o que ela considera um mulherão e você vai descobrir que tem uma em cada esquina.
Mulherão é aquela que pega dois ônibus para ir para o trabalho e mais dois para voltar, e quando chega em casa encontra um tanque lotado de roupa e uma família morta de fome.
Mulherão é aquela que vai de madrugada para a fila garantir matrícula na escola e aquela aposentada que passa horas em pé na fila do banco para buscar uma pensão de 100 reais.
Mulherão é a empresária que administra dezenas de funcionários de segunda a sexta, e uma família todos os dias da semana.
Mulherão é quem volta do supermercado segurando várias sacolas depois de ter pesquisado preços e feito malabarismo com o orçamento.
Mulherão é aquela que se depila, que passa cremes, que se maquia, que faz dieta, que malha, que usa salto alto, meia-calça, ajeita o cabelo e se perfuma, mesmo sem nenhum convite para ser capa de revista.
Mulherão é quem leva os filhos na escola, busca os filhos na escola, leva os filhos na natação, busca os filhos na natação, leva os filhos para cama, conta histórias, dá um beijo e apaga a luz.
Mulherão é aquela mãe de adolescente que não dorme enquanto ele não chega, é quem de manhã bem cedo já está de pé, esquentando o leite.
Mulherão é quem leciona em troca de um salário mínimo, é quem faz serviços voluntários, é quem colhe uva, é quem opera pacientes, é quem lava a roupa para fora, é quem bota a mesa, cozinha o feijão e à tarde trabalha atrás de um balcão.
Mulherão é quem cria os filhos sozinha, quem dá expediente de 8 horas e enfrenta menopausa, TPM e menstruação. Mulherão é quem arruma os armários, coloca flores nos vasos, fecha a cortina para o sol não desbotar os móveis, mantém a geladeira cheia e os cinzeiros vazios. Mulherão é quem sabe onde cada coisa está, o que cada filho sente e qual o melhor remédio para azia.
Lumas, Brunas, Carlas, Luanas e Sheilas: mulheres nota 10 no quesito lindas de morrer, mas mulherão é quem mata um leão por dia.
Martha Medeiros (Jornal Zero Hora / RS)

Literatura para Todos


Concurso para obras inéditas está com inscrições abertas



Escritores brasileiros e de países africanos de língua portuguesa podem inscrever livros para a quarta edição do concurso Literatura para Todos que, neste ano, vai distribuir R$ 90 mil às nove melhores obras. As inscrições começam nesta sexta-feira, 27, e se estendem até 13 de outubro.

Para concorrer, os autores devem apresentar livros inéditos, dirigidos a neoleitores jovens, adultos e idosos em processo de alfabetização e matriculados em turmas de educação de jovens e adultos nas redes públicas da educação básica. Conforme o edital do concurso, as obras literárias devem ter narrativa atraente, favorecer o envolvimento afetivo e apresentar uma leitura do mundo.

As inscrições de autores brasileiros e africanos serão feitas com o envio dos originais. No Brasil, o livro deve ser enviado para o endereço: IV Concurso Literatura para Todos – Ministério da Educação, Esplanada dos Ministérios, Bloco L, sala 209. CEP 70047-900 – Brasília – DF. Os africanos encaminham as obras para as embaixadas do Brasil em seus países.

Cada autor pode participar com um trabalho inédito, mas é admitida a co-autoria. Os originais devem ser apresentados em CD e em seis cópias impressas, em envelope único, lacrado e com pseudônimo. Está vedada a participação de servidores vinculados ao Ministério da Educação e de seus parentes. Professores das instituições federais, estaduais, confessionais e comunitárias de educação superior podem concorrer.

página eletrônica da Secretaria de Educação Continuada, alfabetização e Diversidade (Secad) traz o Edital nº 5/2010 do Literatura para Todos. 


quinta-feira, 26 de agosto de 2010

SABERES DIFERENTES


Em um largo rio, de difícil travessia, havia um barqueiro que atravessava as pessoas de um lado para o outro.
Em uma das viagens, iam um advogado e uma professora.
Como quem gosta de falar muito, o advogado pergunta ao barqueiro :
-- Companheiro, você entende de leis ?
-- Não. - Responde o barqueiro.
E o advogado compadecido :
-- É pena, você perdeu metade da vida !
A professora muito social entra na conversa :
-- Seu barqueiro, você sabe ler e escrever ?
-- Também não. - Responde o remador.
-- Que pena ! - Condói-se a mestra - Você perdeu metade da vida !
Nisso chega uma onda bastante forte e vira o barco.
O canoeiro preocupado pergunta :
-- Vocês sabem nadar ?
-- Não ! - Responderam eles rapidamente.
-- Então é pena - Conclui o barqueiro - Vocês perderam toda a vida !

sábado, 21 de agosto de 2010

ESPETÁCULO MARAVILHOSO.

O coreógrafo chinês Zhang Jigang criou uma coreografia para contemplar "A Deusa da Misericórdia com seus Mil Braços" ou "A Kwanyin de Mil Braços", da mitologia budista. A dança foi apresentada por 21 bailarinas que se colocaram numa longa fila, criando para os espectadores uma fabulosa ilusão de que era uma única deusa com múltiplos braços e pernas.

A inesquecível apresentação de gala da Companhia de Arte Performática Chinesa de Deficientes Físicos foi mostrada ao vivo pelo canal de televisão China Central, em comemoração ao Ano Novo Chinês. Estima-se que a audiência chegou a 1 bilhão de espectadores.

O mais impressionante é o fato de que a maioria das integrantes desta companhia de dança serem deficientes auditivas, ou seja, são surdas.O resultado foi um espetáculo de ficar arrepiado e digno de aplausos.

video
 Fonte:http://www.surdo.org.br

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Ame sempre

Diz um conto chinês que um jovem foi visitar um sábio conselheiro e disse-lhe sobre as dúvidas que tinha a respeito de seus sentimentos por uma bela moça.
O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse-lhe apenas uma coisa:
-- Ame-a.
E logo se calou.
Disse o rapaz:
-- Mas, ainda tenho dúvidas...
-- Ame-a, disse-lhe novamente o sábio.
E, diante do desconcerto do jovem, depois de um breve silêncio, disse-lhe o seguinte:
-- Meu filho, amar é uma decisão, não um sentimento. Amar é dedicação e entrega. Amar é um verbo e o fruto dessa ação é o amor. O amor é um exercício de jardinagem. Arranque o que faz mal, prepare O terreno, semeie, seja paciente, regue e cuide. Esteja preparado porque haverá pragas, secas ou excessos de chuvas mas nem por isso abandone o seu jardim. Ame, ou seja, aceite, valorize, respeite, dê afeto, ternura, admire e Compreenda.
Simplesmente: Ame!
A inteligência sem amor, te faz perverso. 
A justiça sem amor, te faz implacável. 
A diplomacia sem amor, te faz hipócrita. 
O êxito sem amor, te faz arrogante. 
A riqueza sem amor, te faz avarento. 
A docilidade sem amor te faz servil. 
A pobreza sem amor, te faz orgulhoso. 
A beleza sem amor, te faz ridículo. 
A autoridade sem amor, te faz tirano. 
O trabalho sem amor, te faz escravo. 
A simplicidade sem amor, te deprecia. 
A lei sem amor, te escraviza. 
A política sem amor, te deixa egoísta. 
A vida sem AMOR... não tem sentido.

PAPEL DO CONSELHO NA RECONSTRUÇÃO DE UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA.


Na definição dos  objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil que está no artigo 3º de nossa Constituição, se expressa o sentimento de constituir uma sociedade livre, justa e solidária. O terceiro e o quarto objetivos fundamentais, previstos no artigo 3º, são projetos de um sonho estratosférico. Erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir desigualdades sociais e regionais é trabalho para séculos. (Wálter Ceneviva - Folha de São Paulo). Reconstruir uma sociedade, começa pela educação e nessa ação, a escola pode dar o primeiro passo. O Conselho Escolar,é o espaço de exercício de democracia e participação e pode ser o grande articulador na comunidade local e escolar de ações que possam estarem formando cidadão preparados para realizar essa grande reconstrução da sociedade.
1º – Criar grupos de debates na comunidade para sensibilizar aos pais sobre o compromisso com educação de seus filhos;
2º - Abrir espaços na escola para atividades nos finais de semana para envolver melhor os pais;
3º - Desenvolver projetos na escola que trate dos Direitos Universais das crianças;

GRUPO DE ARTICULAÇÃO DE FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS ESCOLARES.

Aconteceu nesta quinta-feira 19/08, na sala do Conselho Municipal de Educação de Mossoró/RN, a primeira reunião do Grupo Articulador de Fortalecimento dos Conselhos Escolares.
A reunião contou com a presença do Promotor da 4ª Promotoria de Justiça da Defesa da Educação de Mossoró, Dr. José Hercy Ponte de Alencar, o professor José Altemar da Silva, representante do Conselho Municipal de Educação, a srª Maria José , representante do COMDICA, A professora Lúcia de Fátima Técnica da Gerência Executiva da Educação, e eu coordenando o grupo.
O grupo irá fazer a revisão da Lei de implantação dos Conselhos Escolares, este será o primeiro passo dessa longa caminhada.
Esta é a primeira de muitas reuniões que acontecerão, pois há muito trabalho a se fazer!!!
Aguardem notícias.
O grupo tem como objetivos:

  • ampliar a participação das comunidades escolar e local na gestão administrativa, financeira e pedagógica das escolas públicas;
  • instituir, em regime de colaboração com os sistemas de ensino, políticas de implantação e fortalecimento de conselhos escolares;
  • estimular a integração entre os conselhos escolares;
  • apoiar os conselhos escolares na construção coletiva de um projeto educacional no âmbito da escola, em consonância com o processo de democratização da sociedade;
  • promover a cultura do monitoramento e avaliação no âmbito das escolas, para a garantia da qualidade da educação.

domingo, 15 de agosto de 2010

Rede Lusófona de Direitos Humanos



Queremos, em definitivo, fazer valer o conteúdo do manifesto do Núcleo de Direitos Africanos Amílcar Cabral, braço da Rede Estadual de Direitos Humanos do Rio Grande do Norte para a África de língua portuguesa:

“É nossa meta buscar - aonde estiver - uma nova globalização humana, algo que seja feito com fios de ternura e cânticos de emoção, com olhos estupefatos e peito aberto à maior aventura: a de fazer parte de um mutirão histórico que busca integrar a parte mais sofrida e mal-amada da humanidade (...).

Enquanto o mundo dorme, fazendo ouvidos de mercador, aos lamentos de corações despedaçados, lançamos nossas esperanças em forma de chama, chama de vida, chama de chamado, chama que não se extingue pois brota do que há de mais puro e sagrado em nós:


O Desejo de Ser.
O Desejo de Amar.
O Desejo de Agir”

Professores de inglês da rede pública poderão ter capacitação no exterior

Professores de língua inglesa da rede pública de ensino brasileira poderão ter capacitação intensiva nos Estados Unidos. A iniciativa é parte do novo programa de certificação lançado nesta quinta-feira, 12. O programa, uma parceria entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Embaixada dos Estados Unidos e a comissão para intercâmbio educacional entre aquele país e o Brasil, Fulbright, tem inscrições até 27 de setembro

Entre os objetivos do novo programa Certificação nos EUA de professores de língua inglesa estão a valorização dos profissionais que atuam na rede pública de educação, o fortalecimento da fluência oral e escrita em inglês dos docentes em início de carreira e o estímulo a parcerias, visando possíveis intercâmbios entre professores e alunos dos dois países.




O programa – O programa prevê a seleção de até 20 participantes. O curso intensivo terá duração de oito semanas na Universidade de Oregon, em Eugene, nos EUA, e duas semanas no Brasil para a conclusão do projeto. Entre os benefícios para os participantes estão incluídos alojamento, alimentação e deslocamento.

Para participar da iniciativa é necessário possuir nacionalidade brasileira. Também são requisitos da inscrição ter bacharelado ou licenciatura em língua inglesa, além de atuar como professor efetivo na rede pública no ensino de língua inglesa.



Acesse o edital.


Fonte:http://portal.mec.gov.br

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A fábula do burro

Autor desconhecido.
Um dia, o burro de um camponês caiu num poço. Não chegou a se ferir, mas não podia sair dali por conta própria. Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o camponês pensava no que fazer.
Finalmente, o camponês tomou uma decisão cruel: concluiu que já que o burro estava muito velho e que o poço estava mesmo seco, precisaria ser tapado de alguma forma. Portanto, não valia a pena se esforçar para tirar o burro de dentro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá-lo a enterrar vivo o burro. Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço.
O burro não tardou a se dar conta do que estavam fazendo com ele e chorou desesperadamente. Porém, para surpresa de todos, o burro aquietou-se depois de umas quantas pás de terra que levou.
O camponês finalmente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu.
A cada pá de terra que caía sobre suas costas o burro a sacudia, dando um passo sobre esta mesma terra que caía ao chão. Assim, em pouco tempo, todos viram como o burro conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando.
A vida vai te jogar muita terra nas costas. Principalmente se você já estiver dentro de um poço. O segredo para sair do poço é sacudir a terra que se leva nas costas e dar um passo sobre ela. Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima.
Podemos sair dos mais profundos buracos se não nos dermos por vencidos. Use a terra que te jogam para seguir adiante!
Recorde-se das 5 regras para ser feliz:
  1. Liberte o seu coração do ódio.
  2. Liberte a sua mente das preocupações.
  3. Simplifique a sua vida.
  4. Dê mais e espere menos.
  5. Ame-se mais e...aceite a terra que lhe jogam. Ela pode ser a solução, não o problema.

sábado, 7 de agosto de 2010

Guia de segurança online para pais



Fonte: Microsoft
De 2 a 4 anos: começando
Durante este estágio, a atividade online muito provavelmente envolverá os pais. Os pais podem segurar as crianças no colo enquanto vêem fotos de família, usam uma câmera da Web para entrar em contato com familiares ou visitam sites especiais para crianças.
Um estudo de 2003 sobre o uso da Internet pelas crianças mostrou que aquelas que se encontram em idade pré-escolar representam o segmento de usuários de Internet que cresce mais rápido. Embora as crianças nessa idade possuam um período de atenção muito limitado para as atividades online, as imagens e sons da Internet podem estimular sua imaginação e tornar sua experiência mais interessante.
O que as crianças em idade pré-escolar podem fazer online
Os pais e os irmãos mais velhos podem ficar online com as crianças pequenas para visitar sites infantis e jogos online. Nessa idade, os adultos possuem um papel importante no que diz respeito a ensinar a usar a Internet com segurança e a supervisionar de perto as reações das crianças ao material online.
 Dicas de segurança
Aqui estão algumas dicas de segurança a considerar quando estiver online com crianças de 2 a 4 anos de idade:
• Esteja sempre online junto aos seus filhos nessa idade.
• Adicione sites aceitáveis à sua lista de Favoritos para criar um ambiente online personalizado para seus filhos.
• Use mecanismos de busca amigáveis para crianças ou outros com controles de menores.
• Pesquise sobre ferramentas de filtragem da Internet, que devem ser usadas como um complemento à supervisão paterna, não uma substituição.
• Ajude a proteger seus filhos contra janelas pop-up ofensivas usando software que as bloqueia.
• Comece a instruir seus filhos sobre privacidade. Se um site incentivá-los a usar seus nomes para personalizar o conteúdo da Web, ajude-os a criar apelidos online que não revelem nenhuma informação pessoal.

De 5 a 6 anos: fazendo sozinhos
  
Quando chegam aos 5 anos de idade, as crianças provavelmente desejarão explorar a Web sozinhos. É importante que os pais oriente as crianças quanto a como surfar pela Internet com segurança, assim que as crianças começarem a usar a Internet sozinhas.As crianças com idade entre 5 e 6 anos geralmente possuem uma atitude positiva e uma natureza aberta. Orgulham-se de suas novas habilidades de leitura e contagem e adoram conversar e compartilhar idéias. Elas não só querem se comportar bem, mas também são confiáveis e raramente questionam autoridade.
O que as crianças com idade entre 5 e 6 anos fazem online
As crianças nessa idade são capazes de seguir os comandos do computador, usar o mouse e jogar jogos. Entretanto, ainda dependem muito dos adultos ou dos irmãos mais velhos para ajudá-los a encontrar sites da Web, interpretar informações online ou enviar emails.
 Dicas de segurança
Aqui estão algumas dicas de segurança a considerar quando estiver online com crianças de 5 a 6 anos de idade:
 • Adicione sites aceitáveis à sua lista de Favoritos para criar um ambiente online personalizado para seus filhos.
• Use mecanismos de busca amigáveis para crianças ou outros com controles de menores.
• Mantenha o computador conectado à Internet em um local de uso comum na sua casa, para que você possa supervisionar com facilidade as atividades online de seus filhos.
• Pesquise sobre ferramentas de filtragem da Internet, que devem ser usadas como um complemento à supervisão paterna, não uma substituição.
• Use software de bloqueio de pop-up para ajudar a proteger seus filhos contra janelas pop-up ofensivas.
• Comece a instruir seus filhos sobre privacidade. Diga a eles para nunca fornecerem informações sobre eles ou sobre sua família quando estiverem online.
• Não deixe que seus filhos usem serviços de mensagens instantâneas, email, salas de bate-papo ou grupos de discussão nesta idade.
• Encoraje-os a lhe contar se algo ou alguém online fizer com que se sintam desconfortáveis ou ameaçados. Mantenha a calma e lembre-os de que não estão fazendo nada de errado se quiserem lhe mostrar algo. Elogie o seu comportamento e incentive-os a procurá-lo novamente se a mesma coisa acontecer de novo. Leia mais sobre como lidar com os predadores online e os intimidadores virtuais.

De 7 a 8 anos: o interesse aumenta

Parte do comportamento normal das crianças nesta faixa etária é ver de quanto eles conseguem escapar impunes. Enquanto estiver online, uma criança desta idade poderá entrar em sites ou conversar em salas de bate-papo não autorizadas por seus pais.
As crianças com idade entre sete e oito anos possuem um senso de família muito forte. Elas estão apenas começando a desenvolver um senso de moral e identidade sexual próprios, e geralmente possuem um grande interesse nas atividades das crianças mais velhas ao seu redor. Entre os 7 e os 8 anos de idade, as crianças tendem a confiar nos outros com muita facilidade e geralmente não questionam autoridade.
O que as crianças com idade entre 7 e 8 anos fazem online
As crianças nesta idade gostam de surfar em busca de divertimento e jogos interativos. Elas provavelmente já usam email e provavelmente já experimentaram entrar em sites e salas de bate-papo que seus pais não permitiram. 
Dicas de segurança
Crie uma lista com regras da casa para o uso da Internet com a participação de seus filhos. 
• Estimule-os a visitar apenas os sites que você aprovou.
• Mantenha o computador conectado à Internet em um local de uso comum na sua casa, para que você possa supervisionar seu uso com facilidade.
• Pesquise sobre ferramentas de filtragem da Internet, que devem ser usadas como um complemento à supervisão paterna, não uma substituição.
• Use mecanismos de busca amigáveis para crianças ou outros com controles de menores.
• Crie uma conta de email compartilhada pela família junto ao seu provedor, em vez de permitir que seus filhos tenham suas próprias contas de email.
• Ensine-os a consultá-lo antes de fornecer qualquer informação pessoal através de email, salas de bate-papo, grupos de discussão, formulários de registro e perfis pessoais.
• Ensine-os a não baixar software, música ou arquivos sem a sua permissão.
• Use filtros de email para bloquear mensagens de determinadas pessoas ou que contêm determinadas palavras ou frases.
• Não permita que seus filhos usem serviços de mensagens instantâneas nesta idade.
• Permita que seus filhos usem apenas salas de bate-papo e grupos de discussão monitorados e em sites infantis reconhecidos.
• Converse com seus filhos sobre seus amigos virtuais e suas atividades online, da mesma forma que conversa sobre suas atividades no mundo real, onde ainda estão conhecendo novas pessoas.
• Converse com seus filhos sobre sexualidade saudável, pois eles podem encontrar com muita facilidade material de conteúdo adulto ou pornográfico online.
• Incentive-os a lhe contar se algo ou alguém online fizer com que se sintam desconfortáveis ou ameaçados. Mantenha a calma e lembre-os de que não estão fazendo nada de errado se quiserem lhe mostrar algo. Elogie o seu comportamento e incentive-os a procurá-lo novamente se a mesma coisa acontecer de novo.

De 9 a 12 anos: boas habilidades online
Pré-adolescentes querem saber tudo e já ouviram falar do que está disponível na Web. É normal que eles tentem ver o que há online. Para assuntos que os pais consideram censuráveis (por exemplo, conteúdo adulto sexualmente explícito ou instruções sobre como construir uma bomba), os pais podem usar filtros de conteúdo para ajudar a bloquear esse tipo de conteúdo.
Os anos de pré-adolescência representam um período de rápidas mudanças na vida das crianças. Embora nesta idade elas ainda sejam muito dependentes da família, elas querem mais independência.
As crianças com idade entre 9 e 12 anos também começam a se interessar pelo mundo ao seu redor e o relacionamento com os amigos passa a ter extrema importância.
O que as crianças com idade entre 9 e 12 anos fazem online
As crianças nessa faixa etária usam a Internet para fazer pesquisas escolares. Além disso, também baixam música, usam email, jogam jogos online e votam em seus ídolos favoritos em sites de fã-clubes. Seu modo preferido de comunicação com os amigos é através de mensagens instantâneas. 
Dicas de segurança
Crie uma lista com regras da casa para o uso da Internet com a participação de seus filhos.
 • Mantenha os computadores conectados à Internet em áreas comuns da casa, não nos quartos das crianças.
• Pesquise sobre ferramentas de filtragem da Internet, que devem ser usadas como um complemento à supervisão paterna, não uma substituição.
• Converse com seus filhos sobre seus amigos virtuais e suas atividades online, da mesma forma que conversa sobre suas outras atividades.
• Insista para que nunca concordem em encontrar pessoalmente um amigo virtual.
• Permita que seus filhos usem apenas salas de bate-papo monitoradas em sites infantis reconhecidos.
• Ensine-os a nunca fornecer informações pessoais ao usar email, salas de bate-papo ou mensagens instantâneas, preencher formulários de registro e perfis pessoais ou participar de competições online.
• Ensine seus filhos a não baixar programas sem a sua permissão — eles podem baixar spyware ou vírus de computador involuntariamente. Além disso, ensine-os que se compartilharem arquivos ou copiarem texto, imagens e trabalhos artísticos da Web, eles podem estar violando leis de direitos autorais.
• Incentive-os a lhe contar se algo ou alguém online fizer com que se sintam desconfortáveis ou ameaçados. Mantenha a calma e lembre-os de que não estão fazendo nada de errado se quiserem lhe mostrar algo. Elogie o seu comportamento e incentive-os a procurá-lo novamente se a mesma coisa acontecer de novo.
• Converse com seus filhos sobre pornografia online e oriente-os a sites positivos sobre saúde e sexualidade.
• Insista em ter acesso às contas de email e de mensagens instantâneas para ter certeza de que não estão falando com estranhos.
• Converse com eles sobre comportamento responsável e ético online. Eles não devem usar a Internet para espalhar fofocas, intimidações ou ameaças aos outros.

De 13 a 17 anos: tecnicamente sofisticados
Ajudar os adolescentes com a segurança online é uma tarefa delicada, visto que eles geralmente sabem mais que seus pais sobre software da Internet. Mesmo com crianças mais velhas, é importante que os pais assumam um papel ativo na orientação do uso da Internet. Um cumprimento rigoroso das regras de segurança online com que os pais e as crianças concordaram e a freqüente revisão dos relatórios de atividade online das crianças é especialmente importante. Os pais devem se lembrar de manter suas próprias senhas seguras para que os adolescentes não possam se registrar em nome dos pais.
É muito comum que os jovens adolescentes passem por períodos de baixa auto-estima, busquem a aprovação dos amigos e se oponham às expectativas dos pais. Os adolescentes mais velhos precisam tanto de identificar-se com um grupo quanto de independência, e apresentam uma tendência a reconciliar os valores de sua família e os de seus amigos. No último período da adolescência, as crianças também ficam mais maduras e estão prontas para interagir com o mundo no nível intelectual. Geralmente, os adolescentes são abertos a novas idéias, mas não possuem a experiência de vida necessária para julgar sua validade. É importante que os pais continuem a orientar seus filhos em relação ao uso da Internet.
O que os adolescentes fazem online
Os adolescentes baixam música, usam mensagens instantâneas, email e jogos online. Eles também usam mecanismos de pesquisa para encontrar informações na Internet. A maioria dos adolescentes já visitou salas de bate-papo e muitos já participaram de bate-papos adultos ou privados. Os meninos nesta idade gostam de ultrapassar os limites e procuram por sites de humor grosseiro, imagens violentas e chocantes, jogos de azar ou de conteúdo adulto explícito. As garotas tendem mais a bater papo online e, portanto, são mais suscetíveis ao aliciamento sexual online. 
 Dicas de segurança
Crie uma lista com regras da casa para o uso da Internet com seus filhos adolescentes. Você deve incluir os tipos de sites que estão fora dos limites, o número de horas que podem passar na Internet e orientações sobre comunicação online, incluindo comunicação em salas de bate-papo.
• Mantenha os computadores conectados à Internet em áreas comuns da casa, não nos quartos dos adolescentes.
• Converse com seus filhos sobre seus amigos virtuais e suas atividades online, da mesma forma que conversa sobre suas outras atividades. Converse com seus filhos sobre a sua lista de contatos em programas de mensagens instantâneas e instrua-os a não falar com estranhos.
• Pesquise sobre ferramentas de filtragem da Internet, que devem ser usadas como um complemento à supervisão paterna, não uma substituição.
• Saiba quais são as salas de bate-papo ou grupos de discussão que seus filhos estão visitando e com quem estão conversando online. Incentive-os a usar salas de bate-papo monitoradas e insista para que permaneçam em áreas de bate-papo públicas.
• Insista para que nunca concordem em encontrar pessoalmente um amigo virtual.
• Ensine-os a nunca fornecer informações pessoais sem a sua permissão ao usar email, salas de bate-papo ou mensagens instantâneas, preencher formulários de registro e perfis pessoais ou participar de competições online.
• Ensine-os a não baixar programas, música ou arquivos sem a sua permissão. Explique que se compartilharem arquivos ou copiarem texto, imagens e trabalhos artísticos da Web, eles podem estar violando leis de direitos autorais e que isso pode ser ilegal.
• Incentive-os a lhe contar se algo ou alguém online fizer com que se sintam desconfortáveis ou ameaçados. Mantenha a calma e lembre-os de que não estão fazendo nada de errado se quiserem lhe mostrar algo. (É importante deixar claro que eles não irão perder o direito de usar o computador.) 
• Converse com seus filhos sobre conteúdo adulto e pornografia online e oriente-os a sites positivos sobre saúde e sexualidade.
• Ajude a protegê-los contra spam. Instrua-os a não fornecer seu endereço de email online, não responder a mensagens de lixo eletrônico e a usar filtros de email.
• Esteja atento aos sites da Web que seus filhos freqüentam. Verifique se não estão visitando sites com conteúdo ofensivo ou publicando informações pessoais ou fotos de si mesmos online.
• Ensine-os a ter um comportamento responsável e ético online. Eles não devem usar a Internet para espalhar fofocas, intimidações ou ameaças aos outros.
• Deixe claro que devem sempre consultar você antes de realizar qualquer transação financeira online, inclusive encomendar, comprar ou vender itens online.
• Converse com eles sobre os jogos de azar online e seus riscos potenciais. Lembre-os de que os jogos de azar online são ilegais para eles.